A calla, ou Zantedeschia aethiopica, é uma flor de bulbo com disponibilidade o ano todo e pico de produção na primavera. É uma prima do 'copo de leite' que encontramos na natureza do Brasil, porém, possui maior durabilidade e maior variedade de cores disponíveis no mercado, já que o copo de leite é encontrado apenas nas cores branca e branca com verde.


O bulbo de Zantedeschia é importado principalmente da Holanda e por apresentar várias dificuldades na sua produção tem custo alto. A produção em áreas de temperatura amena resulta em produtos de melhor qualidade, e por isso a Zantedeschia é produzida nas regiões de maior altitudes no Brasil. Dependendo do tamanho do bulbo e condições da produção, a haste pode chegar a 70 centímetros de comprimento com uma flor de 15 centímetros. A flor na verdade fica na espiga dentro do copo colorido e é minúscula.

O copo (erroneamente chamado de flor) é uma folha deformada e colorida que tem o objetivo de atrair insetos, que quando entram no copo e encostam nas flores fazem a polinização. As muitas cores de Zantedeschia que hoje encontramos não são todas 'naturais'; produtores criam em laboratório novas variedades e cores continuamente.



Normalmente a haste de Zantedeschia é bastante flexível. Entretanto ela fica mais rígida quando está bem hidratada e armazenada em temperaturas baixas, por exemplo em câmara fria. Para tornar a haste mais flexível você pode deixar-lá fora da água por algumas horas e assim pode até 'enrolar' a haste dentro de um vaso de vidro tipo aquário.

A Zantedeschia é uma flor que pode ficar bastante tempo sem água e não perder sua beleza. Não são muitas flores que podem ficar muito tempo fora de água, especialmente em temperaturas mais altas como no Brasil. Uma outra flor que suporta uma breve desidratação para torná-la mais flexível é a tulipa. Ambas as flores podem se hidratar novamente depois deste procedimento (faça um novo corte antes de hidratar), deixando as hastes mais rígidas novamente.





Mas muitas vezes não dispomos de tempo para desidratar a flor para poder manipular. Então podemos utilizar outra técnica, que funciona muito bem com as Zantedeschias. Com uma faca solte uma lâmina ou uma parte lateral bem fina da haste, de baixo para cima (até próximo do botão). É necessário somente uma 'lasquinha' fina para conseguir o resultado. Imediatamente a haste fica bem flexível para enrolar em vasos até bem pequenos.


No vídeo abaixo ensinamos como fazer isto:



Quando usar essa técnica a durabilidade da flor será prejudicada, mas por outro lado você tem um resultado imediato.


Se você quer aprender mais técnicas em arranjos florais, veja nosso blog e conheça nosso curso de formação profissional em arte floral: https://www.floraldesign.com.br/curso-de-formacao-em-arte-floral


Grande abraço,


Ralph Dekker

Floral Design Brasil

info@floraldesign.com.br

www.floraldesign.com.br

13 visualizaçõesEscreva um comentário
  • Ana Rita Gimenes

A espuma floral foi desenvolvida nos anos 50, nos Estados Unidos, mas chegou ao Brasil somente no final dos anos 70. Antes da espuma floral usava-se muito musgo encharcado para montar bases e fixar flores e folhagens para arranjos. Esse musgo até hidratava um pouco as flores e folhas, mas elas estragavam mais rapidamente pelas bactérias e fungos presentes no musgo.

Espuma floral é um sub produto de petróleo, e o produto tradicional não é biodegradável, levando anos para se decompor na natureza. Ele é entretanto, neutro, e por isso não emite nenhuma toxina depois de descartado. Para fins de reciclagem pode ser colocado junto com plásticos.


A empresa OASIS desenvolveu uma espuma floral recentemente que é mais bio degradável, levando quase 2 anos para se decompor, que é muito menos do a que espuma floral tradicional.



Sortimento de formatos em espuma floral

Hoje existe uma infinidade de formas e tamanhos de espuma floral no mercado, inclusive no Brasil. O formato mais comum é bloco ou "tijolo" vendido no atacado em caixas com 24 ou 48 unidades, porém lojas como gardencenters vendem às vezes por unidade.


Bloco tradicional de espuma floral

Outros formatos são bolas, cones, anéis e discos em vários tamanhos. Recentemente foi lançado espuma floral na cor preta, que pode ser usada em arranjos ainda parcialmente descobertas (não há necessidade de esconder toda a espuma), fazendo parte do elemento decorativo.




Arranjo feito em espuma floral preta



Um bloco tradicional de espuma floral pesa em torno de 40 gramas e pode absorver 1.5 litros de água em aproximadamente 2 minutos. É possível acrescentar conservante floral na água antes de hidratar o bloco, desta forma a espuma floral estará hidratada com conservante! Quando hidrata-se a espuma, nunca a force para baixo da água, pois é provável que não vai hidratar por completo.


Abaixo nosso vídeo com instruções de como hidratar corretamente espuma floral:


Uma vez que a espuma floral foi hidratada, ela não vai conseguir hidratar novamente se secar. Para mantê-la hidratada deve-se continuamente fornecer água, para que as flores e folhagens durem por mais tempo.


Para aprender muito mais, conheça o nosso curso de formação profissional online: https://www.floraldesign.com.br/curso-de-formacao-em-arte-floral


Um grande abraço,


Ralph Dekker

Floral Design Brasil

info@floraldesign.com.br

www.floraldesign.com.br


66 visualizaçõesEscreva um comentário
  • Ana Rita Gimenes

Folhagens, assim como as flores, também podem ser aramadas para serem usadas em buquês e arranjos florais, abrindo-se mais possibilidades de criações como por exemplo novas formas ou às vezes simplesmente para mantê-las fixas em uma determinada posição no arranjo ou buquê.

Com o apoio de um arame, mesmo as folhas maiores como da aspidistra (ao lado) podem ser manipuladas. O arame mais adequado para isto é de 0,7 a 0,9 mm de espessura.


Outras folhas que podem ser aramadas assim são dracena, jiboia, monstera pequena (costela de adão), anthurium e curculigo.




Essas folhas grandes não são aramadas com a mesma técnica usada para as flores ou folhas menores. A técnica aplicada para as folhas grandes é a colagem dos arames no verso das folhas. Para isto é usada uma fita colante à prova d'água (fita "waterproof"). Você pode usar outras fitas não à prova d'água, entretanto quando usar numa superfície úmida, como uma folha natural, a fita à prova d'água tem maior adesão e não se solta. Essas fitas são vendidas na cor verde folha, ficando imperceptíveis nos arranjos e buquês.






Exemplo arranjo com folha de dracena fragrans aramada


Veja a seguir como usar esta técnica em uma folha de aspidistra:



Os materiais que você precisa para essa técnica são o arame reto de florista, com 40 ou 50 cm e a fita waterproof.


Se você quer aprender mais técnicas em arte floral, veja outros artigos neste blog ou assista a uma aula gratuita do nosso curso de formação profissional online:


https://www.floraldesign.com.br/curso-de-formacao-em-arte-floral



Grande abraço,


Ralph Dekker

Floral Design Brasil

Escola Internacional de Arte Floral

info@floraldesign.com.br


23 visualizaçõesEscreva um comentário

Floral Design Brasil

Escola Internacional de Arte Floral

 

Holambra - SP

CNPJ 12.955.955/0001-81

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Pinterest Social Icon

(19) 98227 1812

Apenas WhatsApp

Todos os direitos reservados para Floral Design Brasil © 2019